Cose di croniche

As crónicas que saem do Cose Tante. Ou não.

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

A minha equipa

with one comment

Deixei a minha equipa nem há duas semanas. Ainda é minha, e sempre será. Chamo “minha equipa” àquela que veio e se consolidou no final de 2009. Os que vinham de trás, os que entraram por essa altura. Mesmo que alguns tenham saído entretanto, incluo-os na minha equipa, neste caminho longo que foi ter uma equipa.
Eu sempre tive um grande neon sobre mim que dizia “chefe” e, ainda que todos nos dessemos sempre bem, o ambiente fosse bestial, sei que esse neon existia e eu própria não invadi nunca mais do que achei que devia. Sou assim, não invado mas isso agora não é importante.
Importa que vi a equipa evoluir, vi aparecerem amizades e uniões inabaláveis. Fui criticada por salientar um ambiente que para mim era saudável, para outros um veneno. No fim do dia, essas teorias valem zero, ze-ro. Adiante. Há amigos ali, bons amigos, sei isso e gosto que haja.
Há private jokes que não esqueceremos, cantigas, disparates, momentos. Houve tensões, ciclos de facturação e horas extra que dificilmente se suportariam se não houvesse esse ambiente. Mantenho a minha e não abro. Não fui feita para isto, está visto.
Escrever, de escrever é que eu gosto e hoje precisava de fazer isto. Porque é a minha equipa, porque os verei sempre como grupo, porque não o fiz antes e hoje não saberia expressar-me de outra forma. Acima de tudo porque hoje perdemos o Chuckyzinho, a Manchinhas. Perdemo-la para sempre e estas, que são as verdadeiras tristezas, não se suportam com trabalho e horas a mais. Perdemo-la, e já há dias que me preocupa como estariam com todo o pesadelo do último mês e meio. Só por isso, só para poder estar com eles, gostava que a minha saída tivesse sido adiada uma ou duas semanas.
Eu podia dizer o que ela foi, sentada na minha diagonal, os olhinhos azuis a rir muitas vezes a medo, sem saber bem se me ria também ou falava a sério. Podia falar nas cantorias e associações de ideias mirabolantes que vinham daquela cabeça cheia de tanto de tudo. Mas isso são coisas que ficarão para nós, para eles principalmente, que vivemos de perto. Tenho medo que os pequeninos muitos aqui se tornem nadas, e eu gosto de guardar essas pepitazinhas. E dela guardarei muitas.
Dobro só o cantinho, desta vez por um motivo triste.

Written by Marta

Julho 3, 2012 at 8:16 pm

Publicado em Uncategorized

O polegar, o cigarro e o golo de Koeman

with one comment

Eramos crescidas, nós. No café, eu e uma amiga. Sempre. Mais amigos de vez em quando. Os grupos iam-se formando e misturando ao longo dos meses. Eramos todos “da Manica”.
Jogavam Real e Barca e ficou uns 5-0 para o Barcelona. Por 94, para aí.
Nós, crescidas. Tinhamos aulas em faculdades diferentes, encontrávamo-nos à noite. No café. E falávamos, quase sempre com assunto, quase. Ríamos muito todos, sempre.
Golos e mais golos. Todos para o mesmo lado. Nunca preferi um dos dois e sempre tive pena do que perdia. Manias.
Cabelos, perfume, as cabeças rapadas dos hunos, o último grito em doces, o próximo corte de cabelo. Amigas a conversar. E a rir. Cafés e águas pela mesa. Cinzeiro.
Livre de Koeman e eu crescida, a seguir conversa e bola. Mais a bola. Golo. Daqueles à Koeman. Seguro a mão da minha amiga, interrompo-a para não perder pitada nem repetição: “que golão!” e sem querer apago-lhe o cigarro com o meu polegar. Rimos: “parecias um gajo, Marta!”

Written by Marta

Fevereiro 9, 2012 at 11:05 pm

Publicado em Uncategorized

Tagged with , ,

De hoje de manhã, pelo caminho

with 3 comments

É a loucura. Não costumo começar posts com “é a loucura”, mas isto começou por ser um twitt, degenerou para parágrafo, e tem a pretensão de chegar a post. É a loucura, portanto. Além disso, eu, não sendo fundamentalista em quase nada – e este quase é só porque quero passar por civilizadinha – sou contra twitts com mais de 140 caracteres. Gosto dos meus twitts como dos meus cafés: normais e sem açúcar.
Dizia então, que é a loucura. Não é assim tanto, mas a expressão ajuda a começar o atropelo de pensamentos e desculpa que os atire em catadupa – como os twitts, lá está.
Ai sim, faço anos, e vinha no caminho a pensar “Sinto que faço anos? Não sinto que faço anos? E parada? Deixa ver…” mas não senti grande coisa. E não devo sentir desde que fiz 8 anos, isto porque na adolescência estava entretida a ser gloomy. Em encarnado, cor-de-rosa, turquesa, todas as cores do arco-íris, brincos grandes e flores no cabelo, mas gloomy – achava eu. Não é cá fora, gosto da atenção, não tenhamos ilusões. Jamais teria aquele discurso “oh, eu nem ligo a fazer anos”. Bof, isso não tem nada a ver comigo, já sabemos. É cá dentro. Adiante, que se não sinto também não saberei explicar. Feita mais uma fuga para a frente – ai, isto não era para ficar, mas eu agora não sei da borracha, paciência.
Trouxe as boots à rua. Todas são botas, sim. Mas na minha sapateira, boots são estas, que me lembram logo a Nancy – não desfazendo no homem-tigre, mas a versão original é que é a da bota de camurça. Eu não falo com calçado, neste caso abro uma excepção e pergunto-lhes se estão prontas. Está sol, e eu gosto de fazer anos ao sol – que bonito – com botas de camurça. Saltitarei mais? Se calhar, mas de saltos também tem mais valor. Isto podia ser sintomático: ser vaidosa, calçar as botas mais giras hoje, e assim. Mas hoje também não chove e só não as trouxe ontem, porque à segunda-feira estou em piloto automático até às onze da manhã.
Se eu vivesse isto à séria e em delírio, trazia meninas a atirar pétalas à minha frente. Elefantes e isso não, que já é show off… Mas como sou, deixava as meninas a dormir, coitadinhas, que sete da manhã não são horas de arrancar ninguém da cama para atirar pétalas pelo metro de Lisboa fora. Não sou especialmente boazinha, não gosto é de depender de outros para me despachar e parecendo que não, seria coisa para atrapalhar nos transportes.
Pronto, já está. Acaba assim, sem mais nada. Como se vê, não podia ser um twitt. Em twitts eram duas horas a encher timelines. Nada que eu não faça, mas hoje apeteceu-me assim, e eu gosto de pensar que faço o que me apetece.

Written by Marta

Março 1, 2011 at 4:09 pm

Publicado em Uncategorized

Tagged with

Rosnando nos correios

with one comment

Hoje aventurei-me no carregamento de viagens da Carris num cartão (sete colinas? viva viagem? Lisboa viagem? Já me perdi) – ando mais de comboio e metro, é apenas essa a explicação para nunca ter sabido onde se carregavam estas viagens. Um segurança indicou-me os correios da Gare do Oriente e eu segui para lá.
Em dia de greve, os correios estavam abertos. Bestial. Tinham três funcionários, e zero pessoas. Perfeito. Mas não… não podia ser tão simples.
Aproximo-me, e salto esse passo fundamental que é tirar uma senha.
“Posso fazer uma pergunta?”
“Tem de tirar uma senha” Claro… Rosnei baixinho, mas obedeci.
Tirei a senha e fiquei no meu lugar – relembro, três pessoas atrás do balcão, e eu sozinha para atender – à espera do momento ridículo em que ele me chamasse. Mas houve requinte. Esteve a ler números alto, para a colega confirmar não sei onde, e só depois apertou o botão, olhou para o número, e chamou. Pathetic… a ilusão de que tem o poder na ponta do dedo, é só deprimente.
Lá fui, perguntei se ali podia carregar o tal cartão. Respondeu um “sim” num tom de “mas onde é que havia de ser?” Foi muito bonito, como se todos tivessemos de ter a Carris como uma extensão natural dos nossos pés.
Se eu trabalhasse nos correios fugiria sempre ao estereotipo, mas este senhor aparentemente, não acha suficiente ter cara de parvo e farda CTT.

Written by Marta

Novembro 24, 2010 at 11:07 pm

Publicado em Uncategorized

Agora eu eo dlvr.it

leave a comment »

Estou só a experimentar um disparador de posts, fear not.
Qualquer coisa neste espaço, que se assemelhe a um post, para breve.

Tchus!

visto no twitter do Paulo Querido

Written by Marta

Março 24, 2010 at 11:13 am

Publicado em Uncategorized

Tagged with

Pelo Indesmentível

leave a comment »

Os links da Luisinha estão ali na barra ao lado.
Francis & Clarinha continuam por aqui.

E notícias minhas:

Leia o resto deste artigo »

Written by Marta

Janeiro 17, 2010 at 10:53 pm

Publicado em Uncategorized

Tagged with , , ,

Um 2010 bestial!

leave a comment »

Written by Marta

Janeiro 1, 2010 at 4:11 am

Publicado em Uncategorized